23/03/2017 às 23h03min - Atualizada em 23/03/2017 às 23h03min

Corpo & Equilíbrio: O exercício físico e os aspectos psicobiológicos

Prof. Dr. Denis Modeneze
reprodução
 Compreender os aspectos psicobiológicos e a sua importância na relação com os exercícios físicos possibilita um melhor aproveitamento do treinamento e um reflexo positivo na qualidade de vida do ser humano. Cientistas descobriram que a prática orientada de exercício físico traz resultados positivos não somente ao sono e aos seus possíveis distúrbios, mas também aos aspectos psicológicos e aos transtornos de humor, como a ansiedade e a depressão, e aos aspectos cognitivos, como a memória e a aprendizagem. Contudo, há indivíduos que se envolvem na prática de exercícios físicos com tal intensidade e/ou freqüência ou, ainda, fazem uso de recursos ergogênicos que podem trazer prejuízos à saúde, como, por exemplo, o usuário de esteróides anabolizantes. O exercício físico provoca alterações fisiológicas, bioquímicas e psicológicas, portanto, pode ser considerado uma intervenção não-medicamentosa para o tratamento de distúrbios relacionados aos aspectos psicobiológicos.
 
OS RITMOS BIOLÓGICOS E O EXERCÍCIO FÍSICO
 
 O organismo humano tem grande capacidade de adaptação às tarefas impostas a ele. Porém, existem períodos do dia em que o rendimento é potencializado, possibilitando assim, um melhor aproveitamento do treinamento. Os ritmos biológicos podem ser considerados como o nosso relógio biológico que controla nossas atividades durante as 24 horas do dia. Cada pessoa tem um cronotipo, ou seja, um período do dia em que se sente mais alerta e disposta para a realização das tarefas. O matutino acorda cedo e com disposição, com o passar do dia apresenta diminuição do estado de alerta e sente sono mais precocemente. No caso do vespertino, que acorda mais tarde e menos disposto, tem nível aumentado de alerta durante a tarde e dorme mais tarde. Há também o intermediário que se posiciona entre os dois perfis. Indivíduos estressados e com dificuldade no sono devem realizar atividades matinais quando o cortisol é liberado e portanto, não vai atrapalhar o sono noturno, e também vai melhorar seus ajustes durante o dia pelo efeito de diminuição do estresse pós-exercício.
 
Para adequar os melhores horários de treinamento seguem algumas sugestões:
 
 
- 10 às 12 horas: Capacidades cognitivas e capacidade de trabalho intelectual aguçadas, tendo grande vantagem para o aprendizado de novas técnicas de exercícios. Excelente horário para quem sofre de distúrbios hormonais relacionadas ao estresse.
 
- 16 às 18 horas: Capacidades de força, velocidade, mobilidade articular e coordenação estão prontas para receber os estímulos do treinamento
 
- 18 às 19 horas: melhor momento para trabalhar a capacidade de resistência com exercícios aeróbios
 
Referências bibliográficas:
Minati, Alessandra, Marcos Gonçalves Santana, and Marco Tulio Mello. "A influência dos ritmos circadianos no desempenho físico." Rev. bras. ciênc. mov 14.1 (2006): 75-86.
Platonov, Vladimir. Treinamento desportivo para nadadores de alto nível. Phorte, 2005.
Reilly T. Circadian variation in ventilatory and metabolic adaptations to submaximal exercise. Br J Sports Med. Br J Sports Med. 1982; 16:115-116.
Weineck J. Biologia do esporte. 7ª ed. Barueri, SP: Manole, 2005.
Teixeira, C. V. L. S., and D. P. Guedes Jr. "Musculação perguntas e respostas: as 50 dúvidas mais freqüentes nas academias." São Paulo(2010).
 
 
Relacionadas »
Comentários »

Manifestação na câmara municipal de Santa Bárbara, servidores municipais cobrando sobre o reajuste de 1,69 de aumento no salário.

Publicado por Portal Atualidade em Terça-feira, 29 de maio de 2018