22/05/2020 às 14h15min - Atualizada em 26/05/2020 às 18h40min

Vacina para coronavírus pode ficar pronta em junho, dizem especialistas

Divulgação
O coronavírus já matou mais de 100 mil pessoas no mundo, e os números não param de crescer. A pandemia, que espalhou rapidamente por todos os continentes, segue deixando um rastro de vítimas e preocupação em todas as partes do planeta.


 
Enquanto isso, cientistas em universidades e laboratórios de pesquisa tentam encontrar uma saída capaz de barrar o estrago causado pela doença, que ataca rapidamente, causando febre, dor no corpo e tosse seca entre os principais sintomas. Sites como o Saudelogo.com têm se dedicado a explicar o que está acontecendo no mundo científico para a população.
 
Por isso, a busca por uma vacina tem sido a principal atividade de pessoas ao redor do mundo. A possibilidade de termos uma vacina em junho tem se tornado cada vez mais real, ainda que dúvidas pairem no ar.
 
Seundo Marian Wentworth, presidente da Sciences for Health, uma ONG que busca construir sistemas de saúde e observa o desenvolvimento de vacinas no mundo, o remédio pode estar perto de ser encontrado, mas isso não significa que ele será utilizado em larga escala. "Se você quer dizer um que possa ser usado em uma campanha de vacinação em massa, permitindo que todos continuemos com nossas vidas, então 12 a 18 meses provavelmente estão certos", afirmou.
 
Porém, em termos de uma vacina experimental considerada segura e eficaz o suficiente para ser implementada de maneira mais limitada - para grupos de alto risco, como profissionais de saúde, por exemplo - que pode estar pronta dentro de semanas ou meses, sob as regras de emergência desenvolvidas por agências reguladoras de medicamentos e a Organização Mundial da Saúde no contexto das recentes epidemias de Ebola na África.
 
Sarah Gilbert, pesquisadora da Universidade de Oxford, na Inglaterra, afirmou ao jornal Guardian que uma vacina já se mostrou eficaz em ensaios clínicos de fase 3, mas que a fabricação em grandes quantidades não será realizada em menos de 3 meses.
 
Normalmente, uma vacina é desenvolvida em laboratório antes de ser testada em animais. Se for seguro e gerar uma resposta imune promissora nessa fase pré-clínica, ele entra em ensaios clínicos ou em humanos.
 
No entanto, esse trâmite está sendo revisto por especialistas. "As pessoas agora apreciam que o longo processo de licenciamento convencional de vacinas não será útil no contexto de uma epidemia", diz Beate Kampmann, que dirige o centro de vacinas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.
 
Trazer uma nova vacina para a clínica levou 10 a 20 anos no passado. No entanto, o paradigma acelerado está sendo implementado agora. Uma empresa de biotecnologia de Boston, nos Estados Unidos, viu sua vacina experimental Covid-19 entrar em testes em humanos em 16 de março, apenas 10 semanas após as primeiras seqüências genéticas do Sars-CoV-2 - o vírus que causa a doença - serem liberadas.
 
Existem muitos obstáculos pela frente, no entanto. A maioria dos 70 candidatos a vacina Covid-19 que estão sendo desenvolvidos e testados não chegará ao estágio de licenciamento, e aqueles que foram os mais rápidos do mercado ainda podem encontrar problemas mais tarde.
 
Outra proposta é a realização de ensaios de desafio humano controlados, nos quais voluntários saudáveis ​​recebem uma vacina candidata e depois são infectados com Sars-CoV-2.
 
Eles são eticamente questionáveis, especialmente antes que os cientistas entendam por que pessoas jovens e saudáveis ​​estão acabando com ventiladores.
 
Ainda existem muitas incógnitas com relação ao Covid-19, incluindo por quanto tempo qualquer vacina fornecerá proteção. Uma forte indicação disso será se as pessoas que se recuperaram da doença podem pegá-la novamente. Houve relatos anedóticos de reinfecção, mas o fenômeno não é bem conhecido.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Manifestação na câmara municipal de Santa Bárbara, servidores municipais cobrando sobre o reajuste de 1,69 de aumento no salário.

Publicado por Portal Atualidade em Terça-feira, 29 de maio de 2018