23/03/2017 às 18h43min - Atualizada em 23/03/2017 às 18h43min

Jair Bolsonaro negocia filiação no PR

Pré Candidato as eleições para Presidente no ano que vem

Redação
Foto: Antônio More/Gazeta do Povo



De olho nas eleições de 2018, o PR tenta atrair o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ), que já anunciou que pretende deixar sua atual legenda, o PSC, por desentendimentos com a cúpula da sigla. O parlamentar fluminense é pré-candidato à Presidência da República no próximo pleito e apareceu em quarto lugar na ultima pesquisa, de dezembro do ano passado, com 9% das intenções de voto.

As negociações com Bolsonaro estão sendo conduzidas pela cúpula nacional do PR, partido que tem a quinta maior bancada da Câmara, com 39 deputados. O parlamentar fluminense já conversou sobre o assunto com o ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), um dos condenados no processo do mensalão e que exerce forte influência na legenda. Hoje, o deputado se encontrará em Brasília com o atual presidente do PR, o ex-ministro Antonio Carlos Rodrigues (SP), para tratar do assunto.

Nas conversas que teve até agora com o PR, Bolsonaro tem exigido legenda para concorrer ao Palácio do Planalto em 2018. Dono do sexto maior tempo de TV em 2014 (pouco mais de um minuto), o partido, porém, ainda não deu essa garantia. Segundo membros da cúpula do PR, está “muito cedo” para definir se a legenda terá candidato próprio à Presidência. O argumento é que outros partidos da base aliada no Congresso, como PSDB e PMDB, ainda não anunciaram como devem se comportar.

Interesse por Bolsonaro tem relação com potencial de votos para eleger mais deputados

Integrantes do PR querem atrair Bolsonaro principalmente pelo potencial de votos que ele traz para eleger candidatos ao Parlamento, foco da sigla em eleições gerais. No pleito de 2014, Bolsonaro foi o deputado fluminense mais bem votado, com mais de 464,5 mil votos. Os filhos dele, que devem migrar para a nova legenda, também são campeões de votos. Carlos Bolsonaro, por exemplo, foi o vereador do Rio mais votado em 2016, com 106,6 mil votos.

Na briga do politicamente correto, quem perde é a esquerda

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/03/15/CadernoG/Imagens/Cortadas/88029FPIG3-1503349-kfqC-U201694473774CAB-1024x576@GP-Web.jpg

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/03/15/CadernoG/Imagens/Cortadas/88029FPIG3-1503349-kfqC-U201694473774CAB-1024x576@GP-Web.jpg

“O Bolsonaro é um político hoje inegavelmente de muita força eleitoral. Ele é detentor de uma grande parte do eleitorado brasileiro. Para o PR, seria um grande reforço, na minha primeira avaliação”, afirmou o deputado Paulo Feijó (PR-RJ). Ele disse, porém, que a migração de Bolsonaro ainda não foi discutida pelo diretório da legenda no Rio, atualmente comandado pelo ex-governador Anthony Garotinho.

Segundo interlocutores do ex-governador, Garotinho avisou à cúpula do PR que deixará o partido caso Bolsonaro entre. O ex-governador já teria procurado outros partidos. De acordo com o presidente do PDT, Carlos Lupi, Garotinho o procurou há cerca de um mês para negociar a migração. “Ele falou que seria para um projeto de candidatura majoritária, Senado ou governo do Estado. Sondei o pessoal, mas tem muita dificuldade com o pessoal mais histórico do partido”, disse Lupi.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Manifestação na câmara municipal de Santa Bárbara, servidores municipais cobrando sobre o reajuste de 1,69 de aumento no salário.

Publicado por Portal Atualidade em Terça-feira, 29 de maio de 2018